José Sarney

Nascimento: 24/04/1930, Pinheiro - MA

Profissão: Professor, Jornalista e Advogado

Período de Governo: 15/03/1985 a 15/03/1990

Tipo de Eleição: indireta

Idade ao Assumir: 55 anos

Posse: tomou posse no dia 15 de março de 1985, em sessão do Congresso Nacional presidida pelo Senador José Fragelli.

Obs.: Assumiu o cargo de presidente da República no dia 21 de abril de 1985 com o falecimento de Tancredo Neves, se tornando o primeiro presidente civil após o golpe de 1964. Teve que se ausentar várias vezes por causa de viagens e nesses períodos, quem assumiu o cargo foram seus substitutos legais (Presidente da Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal e o Senador Federal).

A vida de José Sarney

José Ribamar Ferreira de Araújo Costa ou José Sarney nasceu no dia 24 de abril de 1930, na cidade de Pinheiro, no Maranhão. Se formou pela Faculdade de Direito do Maranhão, em 1953. No mesmo ano, entrou na Academia Maranhense de Letras. Foi oficial judiciário e diretor da Secretaria do Tribunal de Justiça do Maranhão. Foi Professor da Faculdade de Serviço Social da Universidade Católica do Maranhão, em 1957. Entrou para vida política como suplente de Deputado Federal pelo Partido Social Democrático (PSD), dos anos 1956 a 1957. A partir daí:

  • Foi Presidente da União Democrática Nacional (UDN/MA), entre 1958 a 1965;
  • Foi Deputado Federal pela coligações de oposições, a UDN, Partido Democrata Cristão (PDC) e Partido Republicano (PR), entre 1959 a 1966;
  • Se tornou vice-líder da UDN na Câmara dos Deputados entre 1959 a 1960;
  • Foi vice-presidente nacional da UDN entre 1961 a 1963;
  • Com a extinção dos partidos políticos, pelo AI-2, no dia 27 de outubro de 1965, fez parte da Aliança Renovadora Nacional (ARENA), partido que existiu durante a Ditadura Militar;
  • Foi eleito como Governador do Maranhão entre 1966 a 1970;
  • Se tornou Senador pela Aliança Renovadora Nacional (ARENA/MA) entre 1971 a 1979;
  • Foi Presidente do Instituto de Pesquisas e Assessoria do Congresso (Ipeac) de 1971 a 1983;
  • Se tornou presidente da Arena no ano de 1979 e em 1980 com o retorno de vários partidos políticos, foi presidente do Partido Democrático Social (PDS);
  • Foi vice-líder da maioria do Senado de 1978 a 1979;
  • Se tornou Senador pelo PDS entre 1979 a 1985;
  • Foi Presidente da Comissão Diretora Nacional Provisória do PDS, em 1980, sendo presidente nacional do PDS, de 1980 a 1984;
  • Entrou para Academia Brasileira de Letras em 1980;
  • Em 1984, entrou na Frente Liberal, onde foi candidato à vice-presidente da República na chapa de Tancredo Neves (PMDB), sendo eleitos pelo Colégio Eleitoral, em janeiro de 1985;
  • Assumiu a presidência de forma interina com a doença de Tancredo Neves no dia 15 de março de 1985. Com a morte de Tancredo Neves, tornou-se presidente do Brasil no dia 21 de abril.

Período Presidencial

Após 21 anos de Ditadura Militar, um período muito conturbado da história, os brasileiros tinham a esperança do retorno da democracia no país com a vitória de Tancredo Neves nas eleições. Mas, com a morte de Tancredo, José Sarney assumiu a presidência da República no dia 21 de abril de 1985 e iniciou o período conhecido como Nova República.

Retorno à Democracia

O governo de Sarney foi importante porque trabalhou na tentativa de reconstrução da democracia, além disso, teria que enfrentar a inflação para que o país tivesse crescimento. Assim, como primeiro passo, foi formado no dia 10 de fevereiro de 1987, uma Assembleia Nacional Constituinte, iniciada com a liderança do Deputado Ulisses Guimarães, e assim foi promulgada a Constituição de 1988, no dia 5 de outubro.

A Nova Constituição

A Constituição de 1988, também conhecida como Constituição Cidadã é considerada uma das mais democráticas da história. Ela é a 7ª constituição da história e prevê:

  • Eleições diretas em dois turnos para presidente, prefeitos e governadores;
  • Prevalecerá o presidencialismo como o modelo de governo no Brasil;
  • Independência dos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário);
  • Tornou restrita a ação das forças armadas;
  • Voto de analfabetos e maiores de 16 anos, dentre outros direitos e garantias do cidadão.

Economia: Plano Cruzado

Na economia, foi anunciado no dia 1º de março de 1986 uma reformulação monetária, chamada de Plano Cruzado, nome dado a nova moeda que seria implantada no Brasil. O plano foi gerenciado pelo Ministro da Fazenda Dilson Funaro, bem diferente dos planos recomendados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que tinham o objetivo de acabar com a inflação que devastava a economia. Como medidas para estabilizar:

  • congelou o preços e salários, houve abono de 8% para os trabalhadores;
  • trabalhou com o ‘gatilho’ salarial, um tipo de reajuste de salário caso a inflação fosse igual ou maior do que 20%;
  • houve incentivo à produção, ao invés da especulação financeira.

A nova moeda seria um instrumento para distribuir a renda, bem como aumentar o poder de compra dos salários, assim estaria mais valorizada. No início, houveram bons resultados com a inflação controlada, menor que 2% ao mês. Porém, em dezembro de 1986, foi sentido uma aumento de preços e uma aquecimento em excesso na economia. O plano não deu certo e a inflação aumentou. Sob comando do novo ministro da economia, Luís Carlos Bresser houve uma nova tentativa de contenção, mas sem sucesso. Em janeiro de 1989, foi anunciado um terceiro programa, chamado Plano Verão. Assim como os anteriores houveram desajustes. Em 1980, o Brasil passava por uma crise, que atingiu a América Latina.

Principais Fatos do Governo de Sarney

  • Criação do Ministério da Cultura, no dia 15 de março de 1985;
  • O governo estabeleceu relações diplomáticas com Cuba;
  • Foi assinado o protocolo do Mercosul, junto com o Uruguai e a Argentina.

Fim do Mandato

José Sarney terminou seu mandato no dia 15 de março de 1990. Finalmente, em 1989, a população pôde realizar votação nas urnas. Seu sucessor foi Fernando Collor de Mello. Após o seu mandato, tornou-se Senador pelo Amapá, duas vezes.